segunda-feira, novembro 06, 2006

Senta que lá vem história


Pois é, o nosso querido presidente Lula foi reeleito com grande vantagem em relação ao seu concorrente, Geraldo Alckmin. Sua vitória foi presente sobretudo nos estados do Norte, Nordeste e Centro-Oeste do país, e pelo menos aqui na região da Baixada Santista ele venceu nas cidades mais carentes, que por decorrência de tal fato tem maior parcela da população beneficiada pelos já famosos Bolsa-Família, Bolsa-Gás e as demais bolsas, o que deve beneficiar sobretudo os fabricantes de tais acessórios.
A vontade do povo é soberana, já se falava isso no Iluminismo, na Revolução Francesa e em todos aqueles períodos históricos estudados na escola e os quais estamos dormindo, estando impossibilitados de prestar maiores detalhes sobre o fato, eu incluso no povo acima citado. Mas e quem é que pode afirmar que a vontade desse mesmo povo é na maioria das vezes a mais sensata? Alguém que amputa seu dedo em uma máquina de moer cana para solicitar aposentadoria por invalidez ainda jovem e que também recebe uma módica quantia do governo por ser considerado preso político (mas só passou uma noite na cela, isso no período em que ainda era líder sindicalista no ABC paulista) tem realmente a idoneidade suficiente para governar um país como o nosso, de tantas mazelas sociais e arestas a ser aparadas? Sempre lembrando que ele tem orgulho de sua tão propalada ignorância, pois ele brada em alto e bom som que foi o presidente do povo, pois não chegou aos bancos universitários. Ora, todos sabemos que ele não prosseguiu seus estudos no "Sul Maravilha" porque não quis, não por falta de condições.
Não nego seu passado de líder sindicalista, de ser o fundador do primeiro partido de esquerda do nosso país, de ter levado as massas às ruas para clamar pelas Diretas Já, nos idos de 83,84, nem tampouco suas várias chances de chegar à presidência, e que mobilizou a classe pensante da nosso país naquela época e tambem de ter sido prejudicado pelo poderio da TV Globo no famoso debate contra o também candidato Collor em 89, em que suas falas foram editadas de modo que fossem distorcidas.
Mas isso não significa que esse senhor que hoje está sentado na cadeira presidencial, em pleno Palácio do Planalto, admirando Brasília pelos belos vidros do local e rindo deslavadamente da nossa cara de paspalhos, seja um dos seres mais abissal e calhorda que já existiu em territórios tupiniquins.
Lembremos do escândalo do mensalão, dos dossiês falsos, dos dólares na cueca, da Land Rover do Sílvio Pereira, da famosa mansão do pessoal de Ribeirão Preto, dos seus honestos discípulos Severino, Palocci, Duda Mendonça, Dirceu e tantos outros comparsas malditos colocados por ele lá dentro, pouco após sua posse para comandar os desígnios da nação. Enfim, tudo isso e mais um pouco. Que país é esse que perdeu o senso de ética e moral, deixando ser mandado e desmandado por um maldito que fez com que o poder subisse à sua cabeça e inclusive tentasse cercear o direito à liberdade de imprensa, aliás um dos direitos mais sagrados da democracia.
Enquanto isso, o país nada em crescimento econômico pífio, saúde deteriorada, educação sucateada, infra-estrutura de rodovias e ferrovias federais caducas e a espera de um novo apagão, pois nunca mais se investiu na construção de novas usinas hidrelétricas para suprir a necessidade de um país a caminho do desenvolvimento, segundo palavras dele, e outras coisas mais.
E como já disse nosso saudoso Nelson Rodrigues, eu só acredito naqueles que ainda se ruborizam.

4 comentários:

CAIO disse...

Grande ED!!! Grande Mestre! Eu concordo com tudo que você disse, porque não poderiamos ter como presidente uma pessoa que não serve como exemplo aos futuros presidentes, porque a sociedade ainda tem a coragem de abrir a boca pra dizer que "se lula sem estudo chegou onde chegou, porque não eu." É uma vergonha isso! Não sei muito o que dizer a respeito porque meus conhecimentos politicos são miseráveis, mas mesmo assim tenho sã consiencia de dizer que lula naum é o melhor pro país. Na hora de votar fiquei na dúvida sim, mas acabei fazendo parte da minoria. Vem mais 4 anos aê, e quero só ver...vai acontecer que nem aqui em minha cidade...tou pagando pra ver.
Abraços!!

denise disse...

Pois é Ed seu texto me lembrou o tempo que eu fazia o ginasial,não votava,nem me lembro o ano,era epoca eleitoral,a rivalidade era ente ARENA e PMDB(nossa qt tempo faz),despontava na disputa a eleição um tal de Orestes Quercia,tido como esquerda um quase comunista rs,o outro partido era considerado burguês,interessante era o chavão que se ouvia"Vou votar no Quercia porque ele é pobre-qui nem nóis-"outro fator que influiu a esmagadora vitória dele nas urnas foi por ele ser considerado na epoca um galã rsrsrsrsrsrs
verdadeeeeee foi isso mesmo que aconteceu,a mulherada em peso dizia isso...
O que mais me intriga são pessoas que dizem não ser"massa de manobra" e ainda hoje repetir o mesmo tipo de padrão:
Cria-se histórias,boatos,intrigas e muito mais ai vem os chavões:
-Vou votar no menos pior-
-De que adianta votar nulo agora?-
-Ruim com ele pior sem ele-e por ai vai
Nossa escutei tanta coisa...
O que não vi mesmo foi uma verdadeira consciência politica de lado algum,
Naquele tempo era até natural manobrar a massa,era um tempo de inocência e medo do poder,mandava quem podia obedecia quem tinha juízo,mas atualmente me soa muito estranho isso, muito mesmo e não consigo de maneira nenhuma compreender por mais que tente,rsrsrs
esse é o nosso país.
bjão

O Sanatório Geral disse...

Pois é, xará... Tô sempre dando uma passada por aqui pra ler seus comentários. Agora que também decidi expor minhas opiniões políticas, vou passar mais ainda por aqui. A primeira publicação que fiz no meu blog foi com aquele texto que vc me mandou de autoria do Arnaldo Jabor.

Abraço
Edcarlos

andré targa disse...

Pois é ed, seu blog simplesmente é meu desabafo!!!
Valeu por me indicar,e obrigado pela sua amizade!!
Abração