sexta-feira, novembro 23, 2007

Nu


Eis-me nu. Vestido com as roupas que o Senhor me deu. Sem nada a esconder as vergonhas e todo o resto. Exposto ao frio, ao calor, à chuva, ao sol, enfim, às intempéries da natureza. Conheceste agora tu que me vês assim, não somente a carne, mas sim os sentimentos que exponho como ferida em brasa e brado alto em praça pública. Aqui estou, na presença de todos, expondo aquilo que fui, quem sou e o que porventura serei um dia. Apenas nu, sem apetrechos alguns nas mãos, e estas nem ao menos a esconder o meu sexo. Mas por que estou nu?
Nu porque assim viemos, e assim voltaremos. Não nus somente com a roupa que reveste nosso podre corpo, mas nus de alma, de espírito, nus de flagelos e sentidos. Não se espante com essa visão, estou apenas nu, ou pelado, como quiser interpretar. Pelado sim, e que mal há nisso? Sim, estou cometendo um grave atentado ao pudor, bem o sei. Mas continuo nu enquanto não me cobrirem com alguma coisa que, além de me aquecer o corpo, possa me fazer compreender a alma dos homens, que, além de tudo, é nua de nexos.
Nu sou eu, nu é você, nu somos nós. Estamos todos nus diante do espetáculo que se apresenta durante as vinte e quatro horas do dia. Não sabemos o que fazer da nossa nudez. Muitas vezes nem nos damos conta da nossa nudez. Não a física, mas a nudez da alma. Nus ficamos quando não percebemos que não é a nudez que choca as pessoas, mas nosso caráter, ou a falta dele. Veste sua capa de sacripanta e pensas que com ela estarás acima do bem e do mal, do julgamento dos homens, e quem sabe do divino também? Há que atentar a todas as hipóteses, no momento em que se conta com o privilégio da roupa em uma terra de gente nua. Mas há o tempo. Ah, o tempo, esse destrói não somente os castelos de areia e molda as pedras das cavernas, mas também se encarrega de todas as torpezas nossas de cada dia.
Mas continuas tão ou mais nua do que antes. Há pureza e beleza na nudez, mas também há canalhice e sordidez. És canalha e sórdida, minha cara. Tens beleza e encantamento, brilho nos olhos que escondem, ou melhor, apenas ofuscam que está mais nua do que todos os outros. A nudez que fere quem te expôs a falta de vestimentas não somente com lascívia, mas teria oferecido a ti sua capa ou mesmo a vida para cobri-la nos momentos em que necessitasse.
A nudez que apagaste da sua lembrança e preferes expor como inexistente. Mas há a nudez, mesmo que feches os olhos e não se permita vê-la. Estás tão nua quanto todos os outros, que já não se assoberbam com o que tem diante dos seus olhos nos momentos mais improváveis do dia.
Nu já era antes de ti, e nu continuarei, provavelmente ainda mais despido, se é que isso pode ser possível. Há sol agora, e continuará havendo sol enquanto houver inocência e estupefação diante dos homens e todas as suas coisas. Estou nu principalmente por causa da minha ingenuidade. Cheguei a rasgar o restante dos trapos que usava para me despir diante de ti. Mas nem assim percebeste que havia ali mais que um encantamento, havia amor.
Sim, nu continuo e imediatamente nu me prostro diante de quem quiser visualizar a minha nudez. Não é vergonhoso ser visto nu pelos outros. Mesmo que eu não aceite a condição, eu ainda continuo nu por sua causa. Mesmo que a razão me diga para costurar as minhas vestes, nu continuo. Por você, sempre nu.

4 comentários:

denise disse...

Que coisa mais linda, poesia pura,
isso porque me disse que andava sem inspiração.
Tome tento moço,
você é muito show.
beijãooooo

Fernanda Alves. disse...

Nossa... vc escreve mto bem, que sutileza é esse texto.

Adorei seu blog cara... farei visitas constantes tá e espero q visite o meu tb...


Bjos e mto inspiração

paulo jo santo disse...

essa nudez que só as pessoas que se entregam as felicidades e mazelas que o viver atribui é que torna a condição humana mais sublimada...
a honestidade com nossas formas e conteúdos e a transparência ao colocarmos o que possuimos a mostra, nos torna ao contrário do que se prega a cultura judaico-cristã, da visão de pecadores, tornamos seres mais potencializados e felizes, como os próprios costumes pagãos e seus cultos reverenciam a nudez...
a vestimenta é mais uma forma de nos escondermos atrás de máscaras que estipulamos, para que não fosse encarado o que realmente somos, da forma que somos e o que temos a "oferecer" de concreto...
apesar de não ter facilidade de me ver nu e expor minha nudez, entendo quem o faça, pois identifico esse olhar prático de quem é o que deve e quer ser... e mostra sua cara...
apesar de usar vestimentas, mostro minha cara e ama... espírito e tudo o que posso mostrar e o que minha timidez permite...
te amadoro, meu amigo...
você é muito sábio...
ps. os melhores e mais altos ritos da wicca, por exemplo, envolvem a nudez que além de identificar o desapego dos valores mesquinhos, representa também a ligação mais intensa ao natural...
certa pessoa me disse, quer se conhecer melhor... dance nu em frente do espelho...
você já o fez?

Anderson Rafael disse...

oiii...gostei muito da ft...queria saber se é sua? e se posso usa-la?

abraço...

andersonrafael19@hotmail.com


aguardo resposta.