terça-feira, julho 17, 2007

Registro/SP


Semana passada estive na cidade de Registro fazendo pesquisas de campo. Pois é, de vez em quando exerço atividades profissionais para passar o tempo. Ressalte-se que não sou vagabundo por opção, e sim por falta de maiores perspectivas no quesito profissional. Registro tem uma população de aproximadamente 60.000 moradores, sendo considerada então a "capital" da região, já que todas as outras são menores ainda em população, e se localiza no Vale do Ribeira, a 185 quilômetros de Santos, 195 de São Paulo e 220 de Curitiba. É a sede administrativa da região mais pobre do estado, e sua economia se baseia no comércio, no cultivo da banana e segundo fontes fidedignas de confecções que se instalaram recentemente no local. Seus indicadores econômicos são os mais baixos de todo o estado de São Paulo, e isso pude comprovar, apesar de não ter vistos maiores indícios de miséria na cidade, mas por momentos esqueci que estava ainda no estado mais rico da federação. Desculpem-me a presunção. O meu estado continua sendo a locomotiva do país, mesmo que as más-línguas queiram me provar o contrário. Daqui a vinte anos possa até ser que o quadro tenha se revertido. Por ora, nos mantemos no patamar de maiorais. Maiores reclamações, dirija-se ao setor de ouvidoria dos textos do Edcarlos, cujo telefone eu mesmo desconheço.
De qualquer maneira, gosto de viajar, conhecer novas cidades, e principalmente procuro observar pessoas, mesmo que no meio do caminho me embaralhe de tal forma que dificilmente consigo concluir um raciocínio que havia começado. Não percebi ali nada que chamasse em demasia a minha atenção, mas me chamou a atenção que a cidade só possui uma sala de cinema, em que os filmes obviamente chegam muito após seu lançamento nos grandes centros, não avistei nenhum teatro e apenas uma livraria, em grande parte com títulos de auto-ajuda e no momento em que passei na sua frente estava no estabelecimento apenas um rapaz, provavelmente o atendente ou mesmo o proprietário. Sim, ali tem uma loja das Casas Bahia na avenida central, que se chama Jonas Banks Leite. Belo nome, não?
Não que essa cidade seja a exceção, ela é a regra, infelizmente foi a minha conclusão. Por mais que me queixe do local onde resido, não posso desmerecer os méritos culturais que ela me oferece, proporcional ao seu tamanho e importância para o Brasil. Temos opções culturais para vários gostos e bolsos, e é isso realmente importante; que tenhamos a chance de escolher, por mais que a grande maioria frequente os bailes funk do Morro da Nova Cintra e o Pellikanos, com seu forró de gosto duvidoso. Estou bem informado das baladas regionais, por mais que não as frequente. Nem ouse dizer que estive alguma vez em tais lugares para saber o que ocorre lá. Notícia ruim corre mais rápido que almôndega na boca de criança obesa no almoço de domingo.
Acho que a lição preponderante que tirei da pequena estada nesse município concerne que eu me coloquei morando naquela cidade desde meu nascimento. Como seria eu hoje? Teria os mesmos amigos? Conheceria e teria apreço pelas mesmas coisas? O que estaria exercendo profissionalmente? Quais seriam as minhas diversões de final de semana? E, principalmente, qual o retrato que faria de eu mesmo? Ó dúvidas cruéis. Deixo-vos com o papel da dúvida e das vaias ou aplausos pelo texto lido.

14 comentários:

Priscila disse...

Como somos frutos do meio que vivemos, acredito que vc seria bem diferente do que é hoje.
Para o bem ou para o mal....
Como saber ?

beijocas

denise disse...

Ô meu querido
aplausos prá ti;
saudades de ler tudo o que de bom escreve,deu prá matar um pouquinho,então anda viajando por ai...
é muito bom mesmo,conhecer pessoas e lugares diferente,um exercício fascinante.
saudades
beijos

Reinaldo disse...

Quem não sabe o que é, não sabe o que tem e nem não saberia apreciar o que existe de bom em lugares pouco conhecidos.

Cláussia disse...

Não acho que seria diferente se morasse num lugar desse... eu moro numa cidade ainda menor ... e meus valores, minha profissão... Eh claro que falta um pouco de cultura, e que as pessoas se preocupam demais cm a vida alheia... mais os valores e as escolhas são nossas...

Giih (: disse...

é realmente Registro não tem nenhum teatro, sei disso pq moro NA CIDADE AO LADO que é bem menor.
acho qe não são todas as cidades qe podem ter grandes teatros, os melhores shoppings, acho que se uma pessoa vive em Registro, Pariquera-Açu, Jacupiranga, Cajati, Iguape, Cananéia (entre varias outras cidades do Vale do Ribeira), é porque gostam daqi.
eu mesma conheço váaaaaarias pessoas que moram em Santos e veem para o vale todo o ano, principalmente no carnaval, ou nas festas qe tem por aqi.

Cultura aqi no Vale é qe não falta
;*

Karla Vaz disse...

Na verdade, Registro tem um anfiteatro, que não é tão diferente do teatro a não ser pela sua estrutura, chama-se anfiteatro KKKK, fica perto da praça Beira Rio, e, apesar de não ter capacidade para muita gente, pois acho que só cabem entre 200 e 250 pessoas, recebe boas peças, como a última que veio 'GARAGEM DO ROCK'de curitiba, com Cadú Scheffer e Karlo Karuzo. Registro não é sinônimo de pobreza ou de miséria, como muitos dizem...claro, como toda cidade ou capital, há poucos com tanto, e muitos com tão pouco...moro em Registro há pelo menos 3 anos, pois morava em Curitiba antes, gosto muito daqui, tenho ótimos amigos, me formei em nutrição clínica aqui mesmo e pretendo fazer uma pós graduação, isso é ótimo p mim que ainda tenho 20 anos, Registro tem muitas oportunidades, o que falta é a falta de vontade de muitos registrenses.

FeRr!Ch3sS ® disse...

Que o Vale do Ribeira é a região mais pobre do estado de SP, é fato. Para nós aqui não é nenhuma novidade...É triste ter que carregar esse troféu.

Mas temos belezas naturais, uma das praias mais bonitas do estado, o maior número de cavernas em montanhas, o maior percentual de mata verde do estado também!

Acredito que cresceremos muito! Universidades como a UNESP já está a mais de 5 anos na cidade totalizando 3 faculdades na cidade. A ETEC Paula Souza chegou no começo do ano, está previsto para vir um Instituto Técnico Federal em breve. Além de empresas e indústrias que estão vindo para a nossa região.

Onde você vê dificuldades, eu vejo oportunidades! Uma região que tem muitas dificuldades, com certeza oportunidades não irão faltar! O progresso está vindo e tanto eu como tantos outros "ribeirenses" vão querer fazer parte dele!

Adoro cidades como Santos, São Paulo, Sorocaba e Itu. Mas jamais trocaria minha Registro ou o meu Vale.

Por mais que seja difícil a vida aqui, todos aqueles que saem, um dia voltam...

Tatiane disse...

Em primeiro lugar, acesso a cultura não depende de onde você, nem se estuda no melhor colégio. Cresci numa cidade menor que Registro, sou formada em Jornalismo e desde pequena meus pais me deram oportunidades de ter acesso a teatros, cinemas, bons livros, viagens, a boa música enfim cultura.
Hoje moro numa cidade grande e conheço pessoas que não tem a bagangem cultural que tenho.
Não gostava da cidadezinha, mas tenho certeza que se fosse uma cidade de 5 mil habitantes ou 1 milhão a educação que tive dentro de casa não ia mudar.
E, sinceramente, se compararmos as manifestaçãoes culturais de Santos com outras cidades, falo com consiência, a sua cidade tem ainda um longo caminho.
E, respondendo as suas perguntas em uma, hoje você seria você mesmo. Quando queremos, vamos atrás.

Anônimo disse...

Texto desatualizado, e se houve alguém que possa ter lhe apresentado à cidade, infelizmente não leh apresentou o município de Registro - SP.

Anônimo disse...

você esqueceu de comentar...aqui não é Vale do ribeira...é vale dos desesperados....
uma cidade que acredito eu daqui 20 anos será a mesma.

AzzGunn disse...

Gosto de REGISTRO. Uma boa cidade para morar e ver crescer seus filhos. Tem um grande pontecial de mercado com nichos pouco explorados. O fato do vale ainda ser pobre se deve ao desinteresse politico do GRANDE ESTADO DE SAO PAULO. Afirmo que REGISTRO não é a capital do VALE DA RIBEIRA, mas é muito influente no que diz respeito a mercado e a politica. Temos muito a crescer politica e culturalmente, porem voce faz comparações um pouco injustas. Não se pode comparar SANTOS com REGISTRO. O desemvolvimento das duas cidades estão em escalas exponenciais diferentes, devido, como havia dito antes, a falta de interesse politico na regiao, na cultura temos pessoas interessadas no melhoramento do quadro atual, trabalhando com vontade e alcançando resultados otimistas. Claro, temos muito que crescer, mas lembre-se que REGISTRO tem poucos anos de vida e as capitais tem mais tempo de experiencia social, politica e economica. Peço também que reconcidere o seu texto e venha mais uma vez nos visitar. até mais.

Lidiane disse...

Moro na cidade de Registro faz 3 anos.Morei por 20 anos em São Paulo(Interlagos)-e sinceramente não sinto falta alguma de nada,pois sinto que o essencial fica perdido(ocioso)em meio a tanta paulera por grana.
Acho sim, a cidade de Registro mto bela,pessoas felizes e bem de vida,digamos centradas,rsrs....são pessoas que não precisam mais viajar para tentar se encontrar(foi mal),pois o mínimo sim é o essencial,o resto é passageiro.

Anônimo disse...

PREFIRO REGISTRO DO QUE SÂO PAULO
POIS LÀ HÀ ASSAUTO
E AQUI NEM TEM

Anônimo disse...

Meu caro colega viu muito pouco do nosso vale do ribeira devia conhecer mais pois vai ver maravilhas da nossa natureza ,temos muita cultura sim pois o que não temos em mãos corremos atras .